"QUE MEUS SEGUIDORES SEJAM POUCOS E SECRETOS. ELES GOVERNARÃO OS MUITOS E CONHECIDOS."

segunda-feira, 24 de abril de 2017

sábado, 15 de abril de 2017

sexta-feira, 17 de março de 2017

segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

PRÓLOGO : LUCIFER-PROMETHEUS.



“Mas da árvore do conhecimento do bem e do mal, dela não comerás; porque no dia em que dela comeres, certamente morrerás.”
“Porque Deus sabe que no dia em que dele comerdes se abrirão os vossos olhos, e sereis como Deus, sabendo o bem e o mal.”
( Gênesis 3:5 )

“Este (Prometheus) então roubou o fogo dos deuses e o deu aos homens. Isto assegurou a superioridade dos homens sobre os outros animais. Todavia o fogo era exclusivo dos deuses. Como castigo a Prometeu, Zeus ordenou a Hefesto que o acorrentasse no cume do monte Cáucaso, onde todos os dias uma águia (ou corvo) dilacerava seu fígado que, todos os dias, regenerava-se. Esse castigo devia durar 30 000 anos.”

(Prometeu acorrentado – Ésquilo )

“ Metamorfosear a serpente edêmica no arquétipo personificado do Mal, foi certamente uma das maiores conspurcações da mitologia judaico-cristã. Encontrar um opositor/rival  no símbolo do conhecimento libertador,  tem sido (e é hodiernamente) o maior estratagema  das falácias messiânicas autocráticas, que tem na ignorância e subserviência os alicerces de seus templos  cediços de miasmas regurgitantes, como meio de espoliação e dominação da massa bovina acéfala. Lúcifer, longe de ser a antítese do bem, é a plenipotência do homem em sua eterna busca de progresso espiritual através do conhecimento, rompendo as amarras de uma consciência imposta.”

(Extraido de Símbolos e Arquétipos do Pensamento Mágico - Hellhammer - T.M.T Magus VIº)

sexta-feira, 16 de setembro de 2016



THE DEATH OF THE METAL

"History repeats itself, the first time as tragedy and the second as farce."
(Marx, K. 18 Brumaire of Louis Bonaparte, 1852)

Some articles have been written about the direction the metal (using here metonymy to refer to a whole socio-cultural-musical chain) has and has acquired in recent years. Some items enxergaram Heavy metal as a song that was stuck in the past, and their new musical manifestations eternal bis in idem in other bands and styles already defined and consolidated. Among the many explanations for the inertia of this musical trend, which among other things, has been compared to classical music for its temporal stagnation, it is that nothing new is produced in the metal scene in recent years and that the "scene" was dominated the eternal nostalgic of "the older the better." Despite these explanations, which in its one-sidedness has its share of truth, it seems that the crux of the matter has not been addressed. Perhaps because their reflection is too painful for those, like me, immeasurably love this musical style.
The fact is that the metal was not stuck in the past as some, but just DIED. And this death, besides being died death, is not new because it has more than 20 years. Having the body including already decomposed and being his soul an astral Smudge decomposition (using here a metaphysical metaphor). It is normal that a statement as exhaustive as this, causing outrage in the most sectarian and these lift up your fists at the ready and protest before they reach the end of the reading of these words. For, as we said, this is too painful affirmation and fleeing the social fallacy of political correctness, where everything has to be good, perfect, beautiful and isonomic. The fact is that by our accounts, his death occurred in 1994. turns Those who lived this time for sure will remember that we are talking about and emptiness and disappointment that befell the metal in the period, no one explained or even he might realize what was happening. Only sentindos something that was not palpable, little aware of signs that often went unnoticed, as the disappearance of fanzines, end of vinyl records and K-7 tape, exchange of letters and materials, release publicity and flyers, the transformation of magazines specialized in nonsense for heads-hollow teenagers and especially metamorfização bands that tens desperately ran for other styles, which give a new look to your musicianship. Following the maxim of the more "eclectic" best. So we have many bands that joined to other musical styles and have incorporated the heavy metal as a way out of sameness that the scene appeared. As an oxygen balloon slowing the life of a dying man. Not knowing them (or ourselves) that the dying man had very dead. If we take the examples above to do a time cut and we transport the period, we will see in the vast emptiness that dominated us and so many friends we've lost and so many bands that disappeared. The causes of this "tragedy foretold" is what we will try to show in the lines below.
One of the arguments I hear against the end of the metal is that the MUSIC Metal is alive today and still produce discs 70, 80, even for new buyers. Good! That is true! But also even listen to music from Mozart, Bach and Beethoven, which were written 300 years ago and now gain format on CD, Blue-Ray, etc. Also it is consumed by a legion of people, including some new ones as well. As yet there are people who buy and listen to music from the 50s or 60s The fact is that initially, we must make a distinction between Metal music Metal x lifestyle. Metal music is there, it exists and is immortalized in all purchased or released CD, as so is the music of Chopin. However the metal as LIFESTYLE, as a movement, philosophy and it was often described simply as UNDERGROUND, no longer exists. And no there is no underground metal (here understood as metal lifestyle - modus vivendi). If this distinction cited above did not convince you, then remember what it was to have long hair in the 80s and what he represented. What was to have a black shirt band and use it under the school uniform to not take it "or the stick." Remember what was to have tattoo, leaving home with basqueteira, spandex and leather jacket to the midday sun. As people looked at you with his jacket patches and girls ran from you because you were the "different" school. Recalling this period, you certainly felt all the rejection that the eighties society you dispensed. The frustration we carried to belong to the "lost decade" of pessimism, economic stagnation and ideological crisis. And after feeling all that frustration, I ask: What was our salvation? What comforted and took us that pubescent angst of social, family and existential conflicts? The answer can only be METAL, of course. Only those who lived the metal of 80/90 years, you know that the metal was the exhaust valve, the social statement, comfort that we lacked for being considered outcasts by those who surrounded us and therefore, we came back to us. Into our circles through brotherhoods and hermetic friendships. That when we turn to our own culture and identity, our own social codes, can bear the weight of so teens. To listen to our music was loud cry to society and assert ourselves as people with active voices. To go to a poor show was spend the week preparing the dress (the more detonated better), clog alcohol, see friends and especially listen to the bands of our city playing as if they were the greatest musicians in the world, in a seedy equipment but that our ears was the sound of Olimpio. If you do not know what it is, close the page. You'll never know what I'm talking about.
It was this rejection that made us different from others. It was this distinction that irmanava us or viscerally antagonized by some futile matter of the utmost gravity, such as what the best Slayer album. It was to have the K-7 tape with the band that no one knew who was only passed to best friend under vows of not pass anyone as a sound masonry. It was to spend afternoons record store to see if any new album came and be the first to get your sound or see its cover. Guarding the exchanged snack to buy a tape. This way of life is what the German philosopher Hegel calls the spirit of the age - ZEITGEIST. I believe that the metal was before any musical manifestation of a behavioral manifestation with own cultural elements of this time and that reinforced their identity. So it is inevitable that when you see the new generation of "head metal" patched vests, playing eighties music and referring to your music or musical preferences as "old school" give me the head phrase of Karl Marx: "The history repeats itself, the first time as tragedy and the second as farce. "More than anachronism, this is the same as a person walking with tuxedos and suits 1700 today, just because listening to Mozart.
Another factor responsible for metal death no doubt, was the technological revolution of the 90s, reflected from NAPSTER. Undoubtedly, the advances resulting from this technological revolution were fantastic and there is not anyone give up the amenities that post internet life can offer. Having all the bands in the world from inside your house from your computer is the greatest thing since the invention of printing by Gutenberg. However, despite this fact, without regard to other aspects such as the death of culture lack of market. Digital was buried one of the foundations of heavy metal - the underground. Obviously I like to go well produced shows, playing in good stereos, buy stuff online, download music, etc. But all that I know that what is really there, it's just music. Only the body, the soul is gone. Those who like me, still wear band shirts and go to hit shows heads, are as current hippies. That is, living in a world that does not exist and still perpetuate this way of being / dressing - Perhaps vestige of a culture where they were formed. In contrast, the new metalheads (I prefer to be called a metalhead) will only be an imitation of other times, without understanding very well what a black shirt represents. Not that they do not like the music, sure like, but boil down to this ... just music. Download music over the Internet is one of the best things in the world but will not be like changing the tapes 'sound riot' or receive letters with demo-tapes. Thus, it may seem that we do apologize for the death metal and the present with its new fans and bands do not interest. On the contrary. Bring on new bands and new followers. That old bands return to active attracted by the promising market. But these new manifestations never will be part of Metal cultural movement, but an extreme music culture, which can be performed on a show for a few people or turn soundtrack of soap operas through a media explosion of a relationship site obtained from numerous "likes".
When talking about death metal, just see some widows. An old like me who live in nostalgia. Fantasizing a time that no longer exists and dragging behind him like a decrepit body. New ones are not yet unaware of which of the death and walking with him hand in hand giving it new names. METAL was born, it had its heyday and how everything is born, dies. No demerit that. If your music echoes today under new or old flags that reverberates, we know enjoy. If your new followers find the most natural thing in the world go to Burzum Avenged something with a click, we are wise to respecting this reality. But do not tell me that this time is the perpetuation of the METAL, because I will be forced to recite again Marx's phrase.


Savio Diomedes Paiva Diniz (Hellhammer) is guitarist black metal band LORD BLASPHEMATE. - And you have seen the rise and decline of the Roman Empire.

A MORTE DO METAL



A MORTE DO METAL

“A história se repete, a primeira vez como tragédia e a segunda como farsa.”
( MARX, K. 18 Brumário de Louis Bonaparte, 1852)

            Alguns artigos já foram escritos sobre os rumos que o Metal  (usando aqui a metonímia para nos referirmos a toda uma corrente sócio-cultural-musical )tem e vem adquirindo nos últimos anos.  Alguns artigos enxergaram o Heavy metal como uma música que ficou presa ao passado, sendo suas novas manifestações musicais um eterno bis in idem, de outras bandas e estilos já definidos e consolidados.  Entre as inúmeras explicações para a inércia desta corrente musical, que entre outras coisas, já foi comparada a música clássica pela sua estagnação temporal, estão a de que nada de novo se produziu na cena metálica nos últimos anos e que a “cena” estaria dominada pelos eternos saudosistas do “quanto mais velho melhor”. Não obstante estas explicações, que em sua unilateralidade tem sua parcela de verdade,  parece-nos que o cerne da questão ainda não foi abordado. Talvez porque a sua reflexão seja por demais dolorosa para aqueles, que como eu, amem incomensuravelmente esse estilo musical.
            O fato é que o metal não ficou preso ao passado como querem alguns, mas, simplesmente MORREU. E esta morte, além de ser de morte morrida, não é nova, pois, tem mais de 20 anos. Tendo o cadáver inclusive já decomposto e sendo sua alma um cascão astral em decomposição (utilizando aqui uma metáfora metafísica). É normal que uma afirmação tão taxativa como essa, provoque indignações  nos mais sectários  e estes  ergam seus punhos em riste e protestem antes de chegarem ao fim da leitura destas palavras. Pois, como dissemos, esta é por demais uma afirmação dolorosa e que foge da falácia social do politicamente correto, onde tudo tem que ser bom, perfeito, bonito e isonômico. O fato é que pelas nossas contas, sua morte deu-se por voltas de 1994. Os que viveram esta época com certeza se lembrarão do que estamos falando e do vazio e desilusão que se abateu sobre o Metal no período, sem que ninguém explicasse ou mesmo se apercebesse  o que estava acontecendo. Apenas sentindos algo que não era palpável, pouco atento a sinais que muitas vezes passavam despercebidos, como o desaparecimento de fanzines, fim dos discos de vinil e fita K-7, troca de cartas e materiais, divulgação de release e flyers, a transformação de revistas especializadas em baboseiras para adolescentes cabeças-oca e principalmente a metamorfização das bandas, que as dezenas corriam desesperadamente em busca de outros estilos, que dessem uma nova roupagem a sua musicalidade. Seguindo a máxima do quanto mais “eclético” melhor. Assim, contamos inúmeras bandas que aderiram a outros estilos musicais e os incorporaram ao Heavy Metal como forma de sair da mesmice que a cena encontrava-se. Como um balão de oxigênio retardando a vida de um moribundo. Não sabendo elas ( nem nós mesmos ) que o moribundo já havia a muito morrido. Se aproveitarmos os exemplos acima, para fazermos um recorte temporal e nos  transportarmos ao período, iremos nos perceber do imenso vazio que nos dominou e dos tantos amigos que perdemos e das outras tantas bandas que desapareceram. As causas desta “tragédia anunciada” é o que tentaremos mostrar nas linhas adiante.
            Uma das argumentações que escuto contra o fim do Metal é de que a MÚSICA Metal se encontra viva até hoje e que ainda se produzem discos dos anos 70, 80, inclusive para novos compradores. Bem! Isso é uma verdade! Como também ainda escutamos músicas de Mozart, Bach e Beethoven, que foram escritas a 300 anos atrás e que hoje ganham formato em CD, blue-Ray, etc. Sendo igualmente consumido por uma grande legião de pessoas, inclusive algumas bem novas. Como ainda tem pessoas que compram e escutam músicas dos anos 50 ou da década de 60. O fato é que preliminarmente, precisamos fazer um distinção entre Metal música x Metal estilo de vida. O Metal música esta ai, ela existe e está imortalizada em todo CD comprado ou lançado, como assim também está, a música de Chopin. No entanto o metal como ESTILO DE VIDA, como movimento, filosofia  e que era muitas vezes descrito simplesmente, como UNDERGROUND, não existe mais. E sem underground não existe Metal ( aqui entendido como metal estilo de vida – modus vivendi ). Se esta distinção supra citada não lhe convenceu, lembre-se então do que era ter cabelos compridos nos anos 80 e o que ele representava. O que era ter uma camisa preta de banda  e usá-la por baixo da farda da escola para não tirá-la “nem a pau”. Lembre-se o que era ter tatuagem, sair de casa com basqueteira, calça colada e jaqueta de couro ao sol do meio dia. Como as pessoas olhavam para você com sua jaqueta de patches e as meninas que corriam de você porque você era o “diferente” da escola.  Ao relembrar este período, você certamente sentiu toda a rejeição que a sociedade oitentista lhe dispensava. A frustação que carregávamos por pertencermos a “década perdida”, de pessimismo, estagnação econômica e crise ideológica. E após sentir toda aquela frustração, eu pergunto: Qual era a nossa salvação? O que nos confortava e nos tirava daquela angústia púbere de conflitos sociais, familiares e existenciais? A resposta só pode ser O METAL, é claro. Só quem viveu o metal dos anos 80/90, sabe que o metal era a válvula de escape, a afirmação social, o conforto que nos faltava por sermos considerados párias pelos que nos cercavam e por isso mesmo, voltávamos para nós. Para dentro de nossos círculos através de irmandades e amizades herméticas. Que ao nos voltarmos para nossa própria cultura e identidade, com nossos códigos sociais próprios, conseguimos suportar o peso da adolescência então. Que escutar nossa música barulhenta era gritar para a sociedade e nos afirmarmos como pessoas com vozes ativas. Que ir para um show precário era passar a semana preparando a vestimenta ( quanto mais detonada melhor), se entupir de álcool , rever os amigos e principalmente escutar as bandas de nossa cidade tocando como se fossem os maiores músicos do mundo, em uma aparelhagem decadente, mas que as nossos ouvidos era o som do Olímpio. Se você não sabe o que é isto, feche a página. Você jamais saberá o que estou falando.
            Era essa rejeição que nos tornava diferente dos outros. E era essa diferenciação que nos irmanava ou nos hostilizava visceralmente por alguma questão fútil da máxima gravidade, como por exemplo qual o melhor disco do Slayer. Era ter a fita K-7 com a banda que ninguém conhecia e que só era passada ao melhor amigo sob juras de não passar a ninguém, como uma maçonaria sonora. Era passar tardes em loja de disco para ver se algum disco novo chegava e ser o primeiro a ter seu som ou ver sua capa. Guardando os trocados do lanche para comprar uma fita cassete.     Essa maneira de viver, é o que o filósofo alemão Hegel chama de espírito da época – ZEITGEIST. Acredito que o metal era antes de qualquer manifestação musical uma manifestação de comportamento com elementos culturais próprios desta época e que reforçavam sua identidade. Por isso, é inevitável que quando veja a nova geração de “metal head” com coletes de patch, tocando música oitentista e se referindo a sua música ou preferências musicais como “old school” me venha a cabeça a frase de Karl Marx: “A história se repete, a primeira vez como tragédia e a segunda como farsa.” Mais do que anacronismo, isso é a mesma coisa que uma pessoa andar com fraques e trajes de 1700 nos dias de hoje, só porque escuta Mozart.
            Outro fator responsável pela  morte do metal sem dúvida, foi a revolução tecnológica dos anos 90, consubstanciada a partir do NAPSTER. Sem dúvida nenhuma, os avanços advindos desta revolução tecnológica foram fantásticos e não há que não quem se renda as comodidades que a vida pós internet possa oferecer. Ter todas as bandas do mundo de dentro de  sua casa a partir de seu computador é a coisa mais fantástica, desde a invenção da imprensa por Gutemberg. Porém, não obstante tal fato, sem levar em conta outros aspectos com por exemplo, a morte da cultura pela falta de mercado. A era digital soterrou um dos alicerces do Heavy Metal – O underground. Obviamente gosto de ir para shows bem produzidos, tocar em boas aparelhagens, comprar material pela internet, baixar músicas, etc. Mas tudo isso faço ciente de que o que existe ali na verdade, é apenas a música. Apenas o corpo, a alma já se foi. Aqueles que como eu, ainda vestem camisas de banda e vão para shows baterem cabeças, são como os atuais hippies. Ou seja, vivem em um mundo que não existem e ainda perpetuam esta maneira de ser/vestir - Talvez por resquício de uma cultura onde foram formados. Em contrapartida, os novos metalheads ( eu prefiro ser chamado de metaleiro) serão apenas uma imitação de outros tempos, sem entenderem muito bem o que uma camisa preta representa. Não que eles não gostem da música, com certeza gostam, mas se resumem apenas a isto... música. Baixar músicas pela internet é uma das melhores coisas do mundo, mas não será como trocar tapes pela ‘sound riot’ ou receber cartas com demo-tapes. Com isso, pode parecer que façamos apologia a morte do metal e que o presente com seus novos fãs e bandas não nos interessem. Pelo contrario. Que venham novas bandas e novos seguidores. Que velhas bandas voltem a ativa atraídas pelo mercado promissor. Mas essas novas manifestações jamais farão parte do Metal movimento cultural, mas de uma cultura de música extrema, que poderá ser executada em um show para poucas pessoas ou virar trilha sonora de alguma novela através de uma explosão midiática de algum site de relacionamento obtido de inúmeros “likes”.
            Ao falar sobre a morte do metal, vejo apenas algumas viúvas. Umas velhas como eu, que vivem de saudosismo. Fantasiando uma época que não existe mais e arrastando atrás de si como um corpo decrépito. Outras novas, que não se aperceberam ainda da morte do de cujos e que caminham com ele de mãos dadas dando-lhe novos nomes.  O METAL nasceu, teve seu apogeu e como tudo que nasce, morre. Não há demérito nisso. Se sua música ecoa nos dias de hoje sob novas ou velhas bandeiras que reverbere, saibamos apreciar. Se seus novos seguidores acham a coisa mais natural do mundo ir de Burzum a Avenged alguma coisa com um click, sejamos sensatos para respeitarmos essa realidade. Mas não me venha dizer que esta época é a perpetuação do METAL, pois serei obrigado a recitar mais uma vez a frase de Marx.


Sávio Diomedes Paiva Diniz (Hellhammer) é guitarrista da banda de Black Metal LORD BLASPHEMATE.  - e já viu a ascensão e declínio do Império Romano.

quinta-feira, 18 de agosto de 2016